quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

BC Musical - by Dani Moreno (Diário da Mirys)

Eh-laia...

Taí que me convidaram pra participar de mais uma blogagem coletiva (BC) e eu, mesmo sem muito tempo, resolvi participar. Por vários motivos. Primeiro porque o convite veio da minha amiga super divertida e alto astral: Dani Moreno! Ela é incrível e escreve coisas muito legais no "Moça de Família" (não conhece? Clica no link e corre pra lá!). Segundo porque a BC é sobre música!!! E eu não vivo sem! Minha vida tem seeeeempre uma trilha sonora! Terceiro porque adoro interagir. (Quarto porque ela disse que eu fui a "musa inspiradora" para essa BC! kkkkk) Então... puxa a cadeira, abre uma página extra aí no seu computer e se divirta abrindo videos de músicas! Mas prepare-se para uma viagem no tempo, tá?



Por muito, mas muiiiiiito tempo mesmo, eu adorava cantar Alanis, no volume máximo (só quando estava sozinha, né? Porque meus pais não iam deixar 10 filhos ficarem ouvindo música no volume máximo, dentro da mesma casa! rsrsrs). Em especial, eu gostava DESTA música: you oughta know (você tem que saber)! Eu tinha acabado de terminar um relacionamento super tumultuado com um cara que tinha feito altas loucuras por mim... Era uma confusão!!!! Então, eu cantava a plenos pulmões: you oughta know! Revoltadíssima, como a própria Alanis! rsrsrs



PS: a Alanis nunca aceitou dar entrevistas ou falar sobre essa música. Porque era ÓBVIO que ela tinha sido escrita pra alguém! Alguém que tinha pisado na bola com ela. Enfim... Numa única vez, em uma entrevista sobre outras coisas (pra MTV, eu acho), a entrevistadora pediu para ela falar uma coisa, apenas uma coisa sobre essa música que se tornou o grande sucesso dela. A resposta da Alanis? "Revenge"! E deve ter sido, mesmo... Pobre moço ex dela... ouvindo o resto do mundo cantar uma música que fala dele... tipo, pra sempre!

Depois passei por uma fase mais calma. Curtia Beatles, Elvis, Legião (desde sempre!), coisas que não se pode cantar gritando.

Então o acidente aconteceu e minha vida deu uma guinada de 180o! No começo, eu me afastei da música, totalmente. Depois, fui voltando aos poucos... com músicas da igreja... ou aquelas antigas mais calmas... ou as do Renato Russo (amo, amo, amo!) que faziam chorar... ouvi muito Ana Carolina... Os anos se passaram e eu descobri o Nickelback!!! A mesma revolta e urgência da Alanis! A mesma pegada! Só que numa voz masculina (e, vamos combinar? Uma voz masculina, sem gritos - detesto agudos em música, é TUDO DE BOM, não é não?)... foi tiro certo. Comecei a ouvir sem parar! Tinha no celular, no computador, no carro. E já cantei muito a "far away". Bem alto. Num sussurro. Chorando. Enfim...



Daí veio a vida, essa brincalhona, e trouxe a paz, a empolgação, o amor, a emoção, o sorriso, a paixão, o celular lotado de mensagens, tudo de novo! Uhu!!!!! Eu já estava numa fase de Michael Buble TO-TAL!!! Adorava todas as músicas e versões dele!!!! E com Buble no volume máximo (e o H do lado), cantando Everything, não tem como a vida não ser linda!!!!!!



E só pra não colocar apenas músicas em inglês na minha lista, tenho que falar do J Quest! Adoro!!! Canto várias, super empolgada, a plenos pulmões. Mas a minha preferida é pra cantar baixinho, no ouvido, namorando... "Só Hoje"...



E você, de quais músicas gosta? Qual é aquela pra ouvir no volume máximo???? Me conta!

Bjos e bençãos.
Mirys


quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Pequenos ajudantes (Diário da Nina)

Há um tempo, a mamãe começou a nos dar algumas "funções", em casa. Pra que a gente cresça sabendo se virar! Fazemos nossas camas (do nosso jeito, mas ela diz que "tudo bem"), guardamos nossas coisas, e, às vezes, quando ela está na cozinha, ela nos deixa ajudar em algo!

E a gente a-do-ra ir pra cozinha!!!!
Quebramos ovos, enchemos a panela de água, preparamos os copos com gelo, misturamos legumes picados, temperamos a salada.

Porém, nas facas ela só nos deixa mexer de vez em quando...
Geralmente, a MãMi mesma corta os ingredientes e nós podemos fazer a grande e importante missão de colocá-los na panela!!!! Uhu!!!!
Pensem: se ninguém os colocasse na panela, NÃO haveria comida! Então, a gente se sente super importante!...

Só que, num belo dia, eu resolvi fazer uma surpresa pra mamãe e ajudar a tia B a preparar o almoço. Eu logo quis fazer a salada, que é a prato preferido da MãMi. Insisti com a tia B que eu podia, sim, cortar os tomates! Claro que podia! Eu já era grande! Mas... a mamãe e a tia B, mais velhas, tinham razão... melhor deixar isso com quem é adulto e ficar só misturando os ingredientes, por mais algum tempo...



PS: quando a mamãe chegou em casa, ela me deu um beijo, chamou a Cinderela para ajudar a sarar o meu dedo, e fomos todos almoçar. Ela comeu a minha salada e fez MUITOS ELOGIOS, tá? Quem sabe eu não tente, de novo... daqui uns anos....

MAMARAZZI WEEK - quarta (janeiro / 2013)

Graças a ele, eu voltei com força total para uma antiga paixão: os livros!
Nada como estar inspirada...




Thank you, H!

{ 1 + 1 = 6 } Por escrito! (Diário da Mirys)



Capítulo 6.

Não fazia nem uma semana que eu tinha ficado com ele, pela primeira vez. 5 dias, pra ser exata. C-I-N-C-O! E a gente já ia se separar fisicamente, com aquele trabalho que ele precisava fazer, em Manaus, com dia previsto pra ir, mas sem data certa pra voltar. Ele podia ficar fora um mês, um e meio, dois... Na realidade, ninguém sabia quanto tempo ia ser...

Mesmo assim, ele não queria "mudar os planos" e voltar a ser meu amigo, até que ele voltasse. Ele já era meu NAMORADO desde o comecinho e não aceitava qualquer ideia diferente dessa. A gente só não tinha oficializado isso para as outras pessoas (pais, sogros, irmãos, filhos, etc) porque, simplesmente, não tinha dado nem tempo! Esse tipo de novidade, quando é muito boa, você não quer contar... você quer comemorar!!!! Só que nós dois sabíamos que a minha situação era, digamos, peculiar. Eu tinha sido viúva e tinha muita gente envolvida na minha vida, há muitos meses e anos... Por isso, contar "oi. Estou namorando" não seria simples e normal, como se eu fosse uma garota solteira de 20 e poucos anos. No caso dele, também tinham crianças envolvidas: dois filhos, uma menina de 10 anos e um menino de 3, que também veriam o pai namorar, pela primeira vez.

Mas o H parecia tão decidido, tão certo de tudo, que eu ficava tranquila. E seguia a vida normal, esperando pelo momento certo de fazer cada coisa. Vivendo um dia de cada vez, literalmente!

Apesar de termos nos despedido na quarta-feira, o vôo dele, que sairia na quinta, não saiu e foi postergado para o final de semana. Ele estava em Jaú, à disposição da empresa e eu estava na minha cidade 1, trabalhando, levando crianças pra escola, organizando casa, com o cotidiano normal. A rotina só era alterada pelos milhares de torpedos que trocávamos! Como eu a-do-ro palavras (escrever, ler, conversar), esse era o meu ponto fraco e a gente mandava mensagens sobre... tudo! Contava o nosso dia, discutia um filme, trocava dicas de cozinha, além de vários "estou com saudades", no meio do caminho.

Eu adorava aquilo tudo, aquela atenção toda, ver minha vida ganhar um lado romântico, de novo, ter "conversas de adultos" diariamente, dividir a vida. Eu estava no começo de um namoro e isso é sempre / sempre / sempre empolgante! Se não for, sinto te dizer, você está namorado a pessoa errada... Porque tem que ter aquela empolgação, a vontade de estar junto, o interesse em conhecer o outro e a vida que ele teve antes de você de um jeito mais detalhado do que aquilo que os amigos normais conhecem.

Voltando à estória, na tarde de sexta, eu notei que ele ficou um tempo sem escrever. Eu escrevia e não tinha resposta. Talvez por umas 2 horas, a gente não se falou. Tudo bem, nada demais, certo? Não era motivo nenhum pra eu fazer drama, então não fiz. Só estranhei. Quando ele me escreveu, de novo, eu percebi que tinha algo errado.... e tinha! Ele tinha tido um problema familiar, com as crianças, e estava super chateado e um pouco perdido, sem saber o que fazer. Dividiu o problema comigo e me pediu minha opinião.

Minha opinião??? Sobre crianças???? FÁCIL! Vamos lá! Afinal, se ele estava assumindo o meu "pacote completo" (o que eu morria de medo de ninguém nunca querer fazer, de vestir a camisa e ver minha família de 3 como a sua futura família, também), o mínimo que eu fazia era assumir o "pacote completo" dele, também. Eu sabia que ele tinha filhos antes de começar o namoro e eu não tinha problema algum com relação a isso. Eu sabia que eu teria que dar o espaço deles, que algumas vezes os programas a 2 se transformariam em programa coletivo, que teríamos que trocar um almoço romântico por uma ida ao McDonalds. E, honestamente, pra mim, isso era tranquilo! Mais do que tranquilo, era delicioso, era bacana demais, era divertido, era algo que eu faria sem qualquer problema e com um sorriso enorme no rosto!!! Afinal, eu ADORO crianças e venho de uma família enoooooorme!

E, tentando acalmar o H, eu acabei escrevendo que se ele não concordava com algumas coisas que aconteciam com os filhos, ELE poderia fazer diferente, do jeito que julgasse certo, quando estivesse com eles. Falei que as crianças o amavam (era óbvio isso!) e que eventuais tempestades iriam passar. Escrevi que elas precisam de estabilidade e constância, para se sentirem seguras e amadas. Ele me respondeu que não sabia se conseguiria fazer isso sozinho, que estava chateado demais, triste demais. Ele me pediu pra ajudá-lo, porque eu parecia ter experiência no assunto (crianças). E me pediu desculpas por estar trazendo problemas que eram "dele" pra relação. Eu respondi que estava tudo bem, que não existiam problemas "dele" ou "meus" mais, e que nós éramos uma família de 6, agora. O bom e o ruim era "nosso".

De repente, eu vejo aparecer na minha tela a resposta dele: "eu te amo."

Assim, sem letras garrafais de desespero. Assim, sem ponto de exclamação, mas só um ponto final. Assim, sem outros complementos. Assim, só um sereno, tranquilo, decidido, decisivo, claro, objetivo "eu te amo".

Eu fiquei olhando praquela tela, parada, dentro de uma farmácia, de mãos dadas com a Nina, lembrando que, uma vez, quando nós éramos apenas amigos ainda e falávamos sobre essa minha paixão por outras línguas, ele me mandou um e-mail com uma lista enorme de "como dizer eu te amo em 160 línguas diferentes". Na época, não tinha nada a ver com a gente (eu pensava... pois só descobri que ele gostava de mim meses depois), eu ri e respondi que essa era a única frase que eu preferia em português, mesmo. Então, a Nina me tirou do meu transe: "mamãe, você não vai pagar o remédio, pra gente voltar pra escola?"

Peguei o celular e só respondi: "não vale..."

H: "Eu sei que você preferiria que eu te FALASSE isso, ao invés de ESCREVER, quando fosse a primeira vez de te dizer isso. Mas, eu te amo, Miriane Segalla. Há muito tempo já. E não queria esperar mais pra você ficar sabendo disso. E não pense que é um impulso do momento ou que o problema com as crianças tenha algo a ver com isso. Porque não é e não tem. Quando eu te vir, à noite, eu te FALO essa frase e faço você entender que é exatamente isso que eu sinto por você."

Lá, na porta da escola da Nina, eu não sabia se ria, se chorava, se me preocupava porque eu não me sentia ainda assim. Mas, eu sabia que ele tinha começado a considerar e sonhar com o "nós" muito tempo antes de mim. Que ele tinha se apaixonado primeiro, há meses, e eu só tinha me sentido assim quando ele me pediu pra me apaixonar por ele, também. Eu sabia que eu estava num estágio do nosso relacionamento e ele estava anos-luz na minha frente. E, afinal, pra quem tinha sido pedida em namoro por torpedo, era até natural que o meu primeiro "eu te amo" fosse por escrito, também! E resolvi só curtir aquilo tudo, sem neuras, lendo e relendo a mensagem, durante toda a tarde. Ah, as palavras...

Cenas do próximo capítulo aqui.



terça-feira, 29 de janeiro de 2013

MAMARAZZI WEEK - terça (janeiro / 2013)

Nós fomos numa atração do shopping e tínhamos que usar esses adesivos com nomes de mães e filhos, nas roupas.
Eles quiseram fotografar, quando chegamos em casa.
Eu topei. Lógico!
Adoro ver meu nome ao lado do deles...



{ 1 + 1 = 6 } Jantar romântico... (Diário da Mirys)



Capítulo 5.

Depois daquele telefonema, eu funcionei no modo FF (fast foward)!!! (leia BEM RÁPIDO, pois foi assim que aconteceu) Liga pra babá, combina, sai do trabalho, pega criança na escola, chega em casa, descarrega carro, coloca os dois no banho, pede uma janta pra eles, toma banho, veste a primeira coisa que encontrar na frente (um vestido preto), salto preto, escova dentes, passa um batom (foi tudo que deu), coloca brinco (eu vivo sem...), pega uma bolsa minúscula (eu precisava levar o celular, mas a minha bolsa amada salve salve é imeeeeeensa), joga o celular dentro, pega elevador, sai correndo pela portaria e...

Ele estava lá!
H.
Aquele H.
Aquele que todas as muitas das minhas amigas paqueraram por anos e eu nunca olhei.
Aquele que frequentava os mesmos lugares que eu, desde sempre, sem nunca notar minha presença.
Aquele com quem eu tinha passado horas ótimas, com uma sintonia incrível!
Mas, agora, ali, em pé, na calçada de casa, olhando pra ele do outro lado da rua, parecia tão... tão... "não meu". Sabe aquela sensação de que "fulano jamaaaaaaaaaaaaais sairia comigo e eu jamaaaaaaaaaaaais sairia com ele"? Não porque algum de nós era desinteressante ou ruim ou... mas, simplesmente, porque nós 2 juntos, antes, era inimaginável. A palavra era essa: inimaginável! Impossível de se prever! Improvável de acontecer! Só que, ali estava ele. Na minha casa. Esperando por mim.

E eu fiz questão de ME lembrar que nós dois, juntos, éramos, assim, "NOSSOS". A conversa fluía, os gostos eram parecidos, a risada vinha fácil, o toque arrepiava. Se eu olhasse pra nós dois, "de fora", eu diria que: "- nãããããã.... nana-nina-não... não combinam...". Mas, se ele olhasse pra nós do MEU ângulo, de dentro, eu sabia que a gente se completava!

Então, ele chegou perto, me deu um selinho, me levou até o carro e disse que iria me levar num restaurante que ele já tinha ido e gostado. Porque ele queria estar lá co-mi-go! Vejam bem... ele estava me levando para conhecer um barzinho na minha própria cidade!!!! Me senti uma adolescente completa, totalmente inexperiente!

Quando, finalmente, nós sentamos e começamos a conversar, a magia se fez, de novo! Aquele H, tão inacessível, era o mesmo H surpreendentemente aberto pra mim, que eu tinha visto no final de semana anterior. Nós rimos, nós comemos, nós nos divertimos, nós jogamos conversa fora, até a hora em que ele resolveu tocar no assunto da vinda dele pra a minha cidade: a temida viagem para Manaus, sem prazo pra voltar...

H - "Mi, a gente vai ter que rever alguns planos... porque eu estava pensando em contar pras crianças, sobre nós, no próximo domingo, quando nós estaríamos todos juntos. Mas, agora, eu vou voar e não sei como vamos fazer isso... Porque eu queria muito poder eu mesmo dar a notícia a eles! Queria ver a carinha deles! Queria tirar qualquer dúvida. Queria celebrar junto. Mas, não posso contar uma coisa dessas, que o pai delas está namorando, pela primeira vez, assim, de supetão, subir no avião e ir embora..."

"É... eu, também, ainda não contei nada pro Guigo e pra Nina... Só pra minha mãe. Ainda assim, por telefone."

H - "E não vai dar pra esperar que eu volte de Manaus, pra gente se assumir pras crianças..."

"Então, por que a gente não volta atrás? A gente só "namorou" por 3 dias! Podemos dizer pra qualquer um que perguntar que só saímos! Quando você voltar do Amazonas, a gente vê como fica. Afinal, você vai ficar lá por tantos dias... talvez nem esteja mais sentindo "tudo isso" por mim, quando voltar, e a gente podia...", eu falava sem respirar, pra não perder a coragem de desistir do namoro, antes mesmo de começar.

Só que ele me interrompeu: "Miriane, pára! Isso não é uma alternativa! Eu ESTOU namorando com você e não abro mão disso! Eu posso não ir pra Manaus, mas eu não posso mais ficar sem você! Então, se você não parar com essa hipótese absurda de achar que eu vou parar de sentir o que EU SEI que não vou parar de sentir por você, eu arrumo problema no meu emprego, mas eu não vou pra Manaus! Entre você / nós dois e a viagem pra Amazônia, eu não tenho a menor dúvida do que eu escolheria!"

Então, era isso. Ele iria pra Manaus. E eu ficaria aqui. Por sei lá quanto tempo ficaríamos fisicamente separados. Mas, oficialmente, estávamos juntos. Sem ter a menor ideia de que isso era uma ótima coisa pra nos acontecer...

Cenas do próximo capítulo aqui.



segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

MAMARAZZI WEEK - segunda (janeiro/2013)



Último dia de férias.
Ela adora ler.
Ela quase sempre escolhe uma de suas Bíblias como o "livro da leitura da vez".
Eu adoro ouvir a vozinha dela...

{ 1 + 1 = 6 } 4.000 km de distância... (Diário da Mirys)



Capítulo 4.

E o namoro que começou numa sexta, de madrugada, chegou até o domingo daquele jeito de começo de namoro: tudo-junto-colado-misturado-sem-se-desgrudar!

Mas a segunda-feira chegou e eu tive que partir para a minha cidade 1, para trabalhar. Como já vinha acontecendo há muito tempo, a gente se falava o dia inteiro! Por torpedos, por e-mails, etc e tal. E, quando a noite chegava, a gente se falava pelo celular... durante hooooooooooooras! Rsrsrs. Abençoado seja aquele que inventou ligações entre celulares da mesma companhia por R$ 0,25, sem limite de tempo!!!!

Na quarta-feira, eu já começava a ter frios na barriga, de novo, só de pensar na sexta que se aproximava. Eu ia vê-lo... e tinha que me cuidar... fazer uma hidratação no cabelo, pintar as unhas, colocar as roupas mais bacanas em cima da cama pra escolher o que colocar na mala (pra voltar pra Jaú)... Afinal, namoro, quando está no começo é assim: tudo programado, tudo arrumado, tudo cheiroso, tudo friamente calculado! Não é?

Só que, no meio da tarde, ele me liga, super chateado...

H - "Mi, você pode falar?"
Eu - "Claro, H. Tudo bem? O que aconteceu?", perguntei, pois ele nunca me ligava durante o dia, enquanto ele sabia que eu estava trabalhando.
H - "Eu... preciso falar com você, uns 5 minutos... pode ser?..."

Ôh, ôh...

H - "Seguinte: há um tempo atrás, me falaram que iriam vender um avião para uma empresa de Manaus, e eles precisariam de um piloto para levar o avião."
Eu - "Ah, tá." Qual era o problema? Ele era piloto de aviões, não era? Só iria trabalhar, um dia, um pouco mais longe. Sem dramas.

H - "Naquela época, eu me ofereci pra ir, porque eu não tinha nenhum problema para ficar longe de São Paulo, por um tempo. Porque, quando um avião é vendido, só um piloto da empresa vendedora que pode pilotá-lo, até que todos os papéis estejam prontos."
Eu - "Ah, tá." Tudo bem, pensei... não seria UM DIA. Mas, também, não podia ser tanto assim... O que de mais complicado poderia acontecer? Ele trabalhar até sábado? Domingo? Tudo bem. Eu já tinha ficado sem namorado por uns 800 dias... ficaria por mais 3 ou 4! Sem dramas.

H - "Mi... só que essa papelada toda é demorada, Manaus é longe, e eu não vou conseguir voltar até que esteja tudo resolvido. Em média, costuma demorar uns 45 dias... mas eu não consigo te dar nenhuma certeza, porque não depende de mim. E eu tenho que levar o avião, amanhã..."
Eu - "Ah, tá..." NÃO!!! Não tá!!! Não tá nada!!!

MANAUS???
45 DIAS?????
COMEÇANDO AMANHÃ?????
Mas eu acabei de começar a namorar!!!

H - "Mi, eu vou pra sua cidade, hoje, à noite. Eu preciso te ver, antes de partir. Você consegue babá para as crianças, hoje, que eu queria ir jantar só com você...?"
Eu - "Claro. Fique tranquilo. Resolvo tudo."

Desliguei o telefone meio em transe. Tuuuuuudo bem que eu tinha começado a namorar um piloto de aviões e a rotina dele não teria nada de, digamos, normal. Tuuuuuuudo bem que eu estava ciente de tudo isso desde o começo. Mas eu ACHAVA que o universo ia se mover devagar, agora, até que eu me acostumasse com isso. Seria um namoro quase normal (fora que ele era de uma pessoa de 37 anos, com outra de 40, uma delas viúva, outra que trabalhava nos horários mais malucos possíveis, com 4 crianças para gerenciar, 4 famílias diferentes, em 3 cidades distintas - fora isso, eu achava que seria um namoro normal).

E ele vinha me encontrar à noite. Não, na sexta. HOJE! Em plena quarta-feira! Eu chegaria em casa às 18hs e, às 19hs, tinha que estar com aquela "listinha" de namorada novata toda pronta. Unha, cabelo, banho, maquiagem, roupa linda... Aff! Ele ia ter que gostar de mim do jeito que eu estava! Porque não ia dar tempo de resolver nada dessas "coisas pequenas"...

Cenas do próximo capítulo aqui.

MAMARAZZI WEEK - convite!!!



Hoje em dia, toda mãe tem uma câmera (ou um celular que faça fotos, ou um tablet, ou...) e sai clicando os filhotes, por aí, né? Mas as mamães quase nunca aparecem na foto!!! E a gente quer lembrar DE VOCÊS, como vocês eram, quando a gente era pequeno!!!

Então, nessa semana, te convidamos a participar do MAMARAZZI WEEK:

1 foto por dia
de segunda a sexta
com a MÃE aparecendo nas fotografias!

Se quiser publicar (pode ser uma por dia ou tudo junto, num blog, no face, etc), a gente vai adorar ver a sua família! Deixe o link pra gente, nos comentários, tá?

Bjos e bençãos.
Nina

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Dica de fotografia # 24 - Família, family, famille (Diário da Mirys)

Eu tenho por hábito fazer fotos de família, uma vez por ano (no mínimo)! Daquelas onde TEM QUE TER TODO MUNDO! Acho que não tem recordação do tempo mais deliciosa do que essa: a fotografia! Por isso que, sempre que algum amigo me pede, eu topo na-ho-ri-nha fazer uma "foto de família" da família dele! Pois eu sei que essas vão ser imagens guardadas, com carinho, pra sempre...

DICAS DE FOTOGRAFIA # 24 - FOTOS DE FAMÍLIA



Quer dar aquele "tcham" nas fotos da sua família? Ou quer caprichar nas fotos de família que faz para os seus amigos? Primeira coisa: INCLUA TODO MUNDO NA FOTO! Se aquela família está esperando aumentar, dê um jeito de colocar os bebês na foto! Se tem algum animal de estimação que "é como filho", inclua também! Afinal, família é isso: um monte de gente que se ama, tudo misturado!





Muito, muito importante: se possível, peça pra todo mundo ir com roupas de cores sólidas pra sessão fotográfica! Tente evitar estampas e camisetas cheias de dizeres (que deixam a foto meio "datada" - com cara de anos 80, 2000, etc - além de "roubar o foco" do principal da foto, as pessoas).





(repare como o vestido com estampas vermelhas, super "cheguei", rouba a atenção do resto da foto...)

Se todo mundo puder usar a mesma cor (ou cores combinantes) de roupa, a foto vai ficar ainda mais linda!!! Não dá uma "cara de foto de estúdio"??? (PS: uma alternativa - é apelação, eu sei, mas... - é transformar a foto normal em uma branco e preto! Uhu! Problem solved!)





Eu sei que, às vezes, é impossível escolher as roupas de quem vai ser fotografado (você ESTÁ numa festa e alguém fala "faz uma foto nossa?"...). Então, procure colocar quem tem as roupas mais chamativas atrás daqueles que estão com roupas de "roubam" menos a cena. E concentre-se nos rostos das pessoas!!!







Preste atenção ao "fundo" da sua foto. Veja o cenário onde vai fazê-las! Fuja das tomadas, interruptores, pichações nos muros, cestos de lixo, e tudo o mais que puder ter no fundo da sua foto, atrás das pessoas, que pode tirar o brilho da sua foto! Se não der pra tirar as pessoas daquele lugar, desfoque o fundo (aprenda a fazer isso neste post aqui) ou encontre um ângulo onde o cenário fique melhor. Exemplo: numa piscina, se você não quer que a parede de trás apareça, tire a foto de cima, onde todo o cenário vai ser o azul lindo da água!











Seja criativo!!! Se os fotografados toparem, procurem por "fundos" que deixem a foto mais bacana! Em toda cidade tem um muro de tijolos à vista, uma porta de ferro, um jardim de flores, um canteiro de grama...











Use a sua criatividade, também, nos ângulos e nos acessórios (que você mesmo pode levar, para os seus fotografados usarem)! Sempre que eu vou fazer um book de alguma menina conhecida, eu levo ROUPAS E ACESSÓRIOS MEUS! Porque obrigatoriamente a foto vai ficar diferente daquelas que a modelo já tem, na casa dela. Porque as roupas dela mesma, ela usa todo dia, né? As minhas, não! Fica parecendo ensaio de revista... rsrsrs. PS: pequenos ajustes podem ser feitos nas roupas com fita crepe, na parte de trás!





Faça, também, alguns "retratos" de cada membro da família! Aproveite!!! Tá todo mundo arrumado e disposto, mesmo!







Preparados???? Então, agora, mãos à obra (ou mãos na câmera) e vamos clicar! Nesse fim de semana, faça uma foto da sua família e traga pra gente ver. Pensa bem... é começo de ano... época super legal para se fazer uma foto dessas... Vocês podem até criar uma tradição de sempre fazerem uma foto assim, no mês de janeiro, para irem comparando a evolução da sua family! Divirtam-se!!!



Bjos e bençãos.
Mirys

A MINHA família!!! Uhu!!!



quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Blogagem Coletiva - Tag Selinho de Indicação

Recebi da Nana (que já escreveu pra gente aqui e aqui).

1 - Como escolheu o nome do seu blog?
Há muito e muito tempo atrás, num reino muito muito distante, eu fiquei viúva. Como o Guigo e a Nina eram novinhos, eu não quis que a falta do pai mudasse demais a vidinha deles (mais do que já iria, obviamente, mudar). Então, continuei a viajar, passear, estudar, fazer tudo com eles. Estávamos sempre juntos! Sempre em trânsito! E, um dia, alguém disse: vocês são como os 3 Mosqueteiros! O Guigo adorou a ideia de vivermos de aventuras. Eu achei que aquilo "romantizava" um pouco a situação. Como eu já escrevia os "Diários do Guigo e da Nina", desde antes deles nascerem, resolvi que o nome do blog seria "Diário dos 3 Mosqueteiros"!

Há pouco tempo atrás, num reino muito muito próximo e feliz, eu me casei. Com alguém incrível, que também tinha mais duas pessoas no "pacote completo" dele. E não quis parar com o blog (porque, afinal, se ele é pra ser um reflexo da nossa vida real, na MINHA VIDA REAL existia um novo alguém) e decidi contar a minha história com o H, aqui. Mas, eu resolvi mudar o nome do blog (não o endereço, pra não criar confusão), pois agora temos mais 3 pessoas fazendo parte da nossa vida!!! Eles partilham o nosso amor, as nossas aventuras e o nosso espaço virtual! Então, o Diário virou "Diário dos (3+3) 6 Mosqueteiros"!!!

2 - Há quanto tempo tem seu blog?
O blog, desde o comecinho de 2010. Mas escrevo as histórias do Guigo e da Nina (e enviava por e-mail, para parentes e amigos), desde 2004, antes do Guigo nascer. Quando criei o blog, recuperei os e-mails anteriores e trouxe tudo pra cá!

3 - Como você divulga seu blog?
Eventualmente, eu aviso pros amigos, no facebook, que tem post novo. Mas, geralmente, eu não divulgo! Não sei de onde vem os quase 2.000 leitores diários, mas fico MUITO GRATA POR CADA UM DE VOCÊS!

4 - Quais assuntos têm mais visualização no seu blog?
As festas de criança, do tipo "feita em casa", fazem os posts mais populares!!! Todas as dicas de decoração, comidinha, adesivos, etc e tal! Mas as sagas da vida real, as histórias de amor que eu vivi, sempre bombam de comentários aqui e no facebook! A-DO-RO!!! rsrsrs

5 - O que motivou você a criar o blog?
Eu queria deixar registrado, em um lugar publico (caso eu também morresse antes que pudesse entregar isso para as crianças), a história da vida do Guigo e da Nina, com o pai F e depois sem ele. Nunca imaginei que teria essa repercussão toda... nunca imaginei que escreveria aqui a MINHA história posterior... No início, o objetivo era escrever pras crianças num lugar que pudesse ser facilmente acessado por eles, no futuro.

6 - Onde você mora?
Em duas cidades diferentes, no interior de São Paulo. Numa durante a semana (onde eu trabalho e as crianças estudam). Noutra onde chegamos sexta e vamos embora segunda, mas onde podemos ficar uma FAMÍLIA COMPLETA, as 6 pessoas que fazem parte dela!

7 - Quais os seus objetivos com o blog?
Conquistar o mundo??? (#MirysnaversãoCérebro) rsrsrs
Registrar nossas histórias para as 4 crianças (adoro histórias da vida real, que meu pai me contava pra dormir, desde bebezinha); ajudar quem infelizmente passar por esse turbilhão que é perder alguém tão próximo e tão jovem; divertir; escrever; ser lida.

8 - Quais blogs você visita frequentemente?
Vou listar só aqueles que não são em portugues (porque, senão, a lista ficaria imensa) - Be in the moment, Under the sycamore, A bit of sunshine. Leio todo dia!

9 - O que te inspira para criar os posts?
VIVER!!! (e ler os blogs acima listados)

10 - Além do blog, tem alguma outra ocupação? Se sim, quais?
KKKKKKK. Ótima pergunta! Quem me dera, viver de escrever... ai, ai... Digamos que, "nas horas vagas", eu tenho um trabalho regular, que paga as contas lá das casas! Sou formada em direito e em jornalismo. SEMPRE QUE POSSO, mexo com fotografia. Apesar de nunca ser remunerado (então, não deveria contar como "trabalho"), é uma das coisas que me "ocupa" que eu mais amo fazer!!! Registrar momentos inesquecíveis da vida das pessoas que eu amo! Escrever a história delas... com luz!

11 - O que mais gosta de fazer nos finais de semana?
Reunir família e amigos! Namorar o marido, brincar com as crianças, conversar com os primos, me encontrar com amigos... AMO DEMAIS! Se der pra encaixar um filme ou um livro bom, na programação, também vou adorar. Mas, "descansar" não faz parte dos meus planos...

12 - Gosta de café?
Adoro o cheiro, adoro o clima de aconchego quando todos se reunem pra "pausa café". Antes de ir morar na França (em 1997/1998, pra estudar e trabalhar), eu tomava todo santo dia! Por lá, também sempre tinha o cafezinho com UMA bolacha amanteigada, após o almoço. Mas o café era do tipo "café fraco" (não aguado!!!). Quando cheguei no Brasil, louquíssima por um pão de queijo (a única coisa que me fez falta), eu parei numa lanchonete e pedi "um pão de queijo e um expresso, por favor". E aquele expresso, depois de um ano bebendo café fraco, não caiu bem... Caiu mal! Muito mal!!! Nunca mais tomei café, depois daquilo... Até começar a namorar o H e tudo mudar na minha vida! Hoje, tomo um copinho a cada 3 ou 4 dias. Talvez menos. Mas continuo a adorar o cheiro e a confraternização do "vamos tomar um café?"!

13 - Pretende fazer algo, em 2013, para o blog?
Pretendo escrever duas sagas (uma sobre como adaptamos essa família completamente diferente, de um piloto de aviões + 2 filhos, com uma advogada + 2 filhos, que passa seus dias entre 3 cidades diferentes, e tem que gerenciar 4 pares de avós e avôs... e outra saga ainda é surpresa!). Pretendo continuar com os desafios de fotografia (mamarazzi week, 10 on 10, dicas de fotografia) e criar mais um. Pretendo fazer algumas partes deste blog virarem livro.... Fernandinha Reali e sua legião de adeptos do "você PRE-CI-SA transformar o blog em livro" estão me convencendo... Adoraria se isso acontecesse!

As regras da brincadeira são:
as blogueiras que receberem o selinho responderão às perguntas feitas pela blogueira que indicou seu blog e listarão 10 blogs para fazer o mesmo (não podem ser blogs famosos com mais de 800 seguidores, pois o intuito do selinho é divulgar blogs).

Assim sendo, os meus 10 blogs escolhidos são (considerando que vários outros que eu adoro JÁ participaram da brincadeira): céu azul após a tempestade, casa com detalhe, moça de família, balzaca materna, a mãe dos gêmeos, inventando com a mamãe, dress 2 impress, filha de josé, em nossas vidas e o divã delas! Divirtam-se!!!

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

{ 1 + 1 = 6 } NA-MO-RA-DOS!!! (Diário da Mirys)



Capítulo 3.

A gente tinha passado aquele primeiro final de semana junto, praticamente "hibernando"... não me pergunte o que mais eu fiz, naqueles dias, porque eu só me lembro de estar com o H, conversar com ele, rir com ele, ouvir música ao lado dele, ser paparicada com as comidas que ele fazia pra mim! Em alguma outra estratosfera, devia ter o resto do mundo, vivendo. Mas o meu planetinha ficou só ali, naqueles dias, fora da rota normal dos planetas, girando num tempo e espaço que só eu mesma entendia...

Eu tinha tido "nada" durante tanto tempo e, agora, eu tinha tudo, de novo, de repente. E eu não estava acostumada... Nessa área, a minha rotina era a solidão, a viuvez, a ausência, o cotidiano era sentar sozinha pra ver um filme, tendo, no máximo, um balde de pipoca pra fazer companhia. E eu achava que nunca mais ia ser diferente daquilo, que eu não fosse mais me sentir à vontade na pele de namorada / mulher / alvo de carinho de alguém. Eu achava que seria estranho, que a conversa não iria fluir, que ficaria um "climão" no ar... mas foi tudo diferente. Com ele, as lembranças da adolescência/juventude eram divertidas porque elas iam pra antes da faculdade, do Fernando, do acidente; com ele, a conversa era fácil e eu não precisava parar e abrir um parênteses pra explicar minha vida anterior a todo momento; com ele, a sintonia foi imediata! Irritante, até! Não era possível que desse tão certo, logo de cara... não era pra ser "simples" e confortável assim... pelo menos, eu achava que não.

E, quando chegou o domingo à noite e a gente sabia que iria se separar (ele iria pro Quartel General dos pilotos, passar a semana voando, e eu iria para a minha cidade 1, trabalhar) ficou aquele "branco" de ninguém saber o que falar. Porque não dava pra falar "até amanhã", como eu tinha feito na sexta e no sábado. E eu não queria dizer "a gente se vê por aí", daquele jeito de sabe-se-lá-quando eu iria ficar com ele, de novo... Mas eu NÃO CONSEGUIA falar nada além do "então tá... ficamos assim... a gente se vê por aí"...

"- E então, como ficamos?..."
H "- Ficamos assim: você é minha namorada, vamos nos separar para ir trabalhar e nos veremos na próxima sexta, sem falta."

"- Namorada? H, eu não preciso de 'títulos' e..."
Ele nem me deixou continuar: "- Mi, eu NÃO VOU só sair com você." E, então, ele usou a minha frase contra mim: "- Eu conheço seus pais, você conhece os meus, eu convivo com a sua família e você com a minha, eu tenho filhos e você também tem. Não estamos no momento para 'brincadeirinhas' e não faria o menor sentido eu 'só sair' com você. E eu NÃO QUERO isso. Você não é menina 'pra sair'. E eu quero NAMORAR você!"

"- Mas, H... eu não sei se consigo... assim... ter um namorado... tão de repente..."
H "- Mi, pode me chamar do que você quiser. Mas, pra mim, você é a minha namorada! É isso ou paramos por aqui. Que eu não vou ter nada 'pela metade' com você..."

Ele jogou todas as cartas na mesa, fez as apostas dele e cruzou os dedos pra eu aceitar. Eu respirei fundo... revi um filme dos últimos anos na minha cabeça... olhei pra ele e disse "tudo bem. Mas, por enquanto, a gente mantém isso assim, discretamente, ok?"

Eu só me esqueci que discrição NÃO ERA o forte dele...

Cenas do próximo capítulo aqui.



segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Amiga não mais secreta - Blogagem coletiva (Diário da Mirys)

Eu curto uma festa! Curto uma comemoração! Curto muuuuito dar presentes! Curto conhecer gente nova! Curto celebrar meus amigos!

Então, no final do ano, quando alguém me convida pra um "amigo secreto" eu entro correndo!!! Porque é uma delícia preparar algo, com carinho, pra alguém... e ficar na expectativa pra ver QUEM te tirou!

Há dois anos, sou convidada pra participar do "Amigo Secreto das Blogueiras". Cada uma de um lado do Brasil, com maneiras de escrever diferentes, temas de blogs completamente diversos do meu... mas SEMPRE gente muito bacana pra ter por perto (nem que seja virtualmente falando)!!!

Desta vez, quem me tirou foi a... tcham - tcham - tcham - tcham.....

Já conto, após os comerciais!
rsrsrsrs

Primeiro vou mostrar um pouquinho do blog dela! LINDÍSSIMO!!!!! Pra quem gosta de ver umas casinhas lindas e se inspirar, ele é perfeito! Cheio de dicas interessantes para dar "aquele toque especial" no seu lar, doce lar! Quer exemplos? Estão aqui, ó! Sala, quarto, varanda, cozinha, banheiro, tudo liiiiiiindo numa "Casa com Detalhe"!!!













Além disso, de vez em quando, a dona do blog faz coisas mega fofas, só pra colorir / enfeitar / facilitar nossas vidas! Olha que mimo!!!



Se você já conhece o blog "Casa com Detalhe" sabe que eu estou falando da super talentosa MILA!!!! Se você ainda não conhece... corre pra lá!!!

E se quiser conhecer outras participantes da brincadeira e ver os presentinhos, é só seguir a lista! Tem muita gente fina, elegante e sincera por aqui!!!!

Ana - A mãe dos gêmeos (minha amiga querida - que eu tirei!!!) / Daia - Realizando um sonho em BH / Juliana - Miss Florinda / Karina - Melhor da Vida / Keilla - Casa da Dona Keilla / Lana - Surpresa para namorados / Lidi - Espaço Tilidi / Liz - Que baderna! / Marcelly - Má relicário / Mel - Artes da Mel / Michelle - A casinha da Mi / Pry - Uai, passa lá em casa / Sheila - A casa da Sheila / Tássia - Amo decoração / Tami - A casa da Tami / Valéria - Miscelânia em Artes


E os presentes SUPER A MINHA CARA, que eu ganhei da Mila, foram (sim, no plural! Porque ela não me mandou só um presente... eu não disse que ela era o máximo???): um álbum de fotografias (onde eu decidi guardar os 1.403.506.782 postais que eu recebo dos amigos queridos que nunca se esquecem que eu adoooooro receber coisas pelos correios) + dois vasinhos de pimentas (que já foram enfeitar a minha sala! Uhu! A MINHA casa ficou "com detalhe"... ai, ai...).







Obrigada, Mila! Amei!!!